Espécies ameaçadas de extinção: Papagaio-de-peito-roxo

Um dos papagaios mais belos encontrados aqui no Brasil, com uma característica única, o seu peito-roxo. Mas essa beleza estão ameaçada.


Fonte da imagem: Wikipedia/derivative work: Snowmanradio (talk) Amazona_vinacea_-RSFP-8a.jpg: Ruth Rogers - originally posted to Flickr as Vinaceous Amazon and uploaded to commons as Amazona_vinacea_-RSFP-8a.jpg


✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅

https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ?sub_confirmation=1

O papagaio-de-peito-roxo (Amazona vinacea), também chamado de papagaio-caboclo, curraleiro, coraleiro, jurueba, jurueba, papagaio-curraleiro, téu-téu e crau-crau é uma espécie de papagaio sul-americana, que ocorre no sul e sudeste do Brasil e em pequenos trechos no Paraguai e na Argentina.


Leia também:


Características morfológicas do papagaio-de-peito-roxo


Chega a medir até 30 centímetros de comprimento, com plumagem geral verde, mas com penas arroxeadas no peito, de aspecto escamoso, que continuam em torno do pescoço em tons azuis como uma gola, a qual pode ser eriçada em certas ocasiões; loros, fronte, base do bico, encontro e espelho alar são vermelhos. A extremidade da asa é verde-azulada e as partes externas das penas secundárias são vermelhas. Seu dorso e cauda são verde-amarelados. O bico é avermelhado com a ponta acinzentada, a íris é vermelha e os pés são cinza. Não há dimorfismo sexual evidente, mas as fêmeas podem ser um pouco menores do que os machos.


Leia também:


Onde vive o papagaio-de-peito-roxo?


O papagaio-de-peito-roxo é uma espécie endêmica da Mata Atlântica, habitando originalmente da Bahia ao Rio Grande do Sul, o sudeste do Paraguai e o nordeste da Argentina. Ocorre em altitudes de até 2 mil metros, em habitats que variam da floresta úmida tropical e subtropical e mata de pinhais às beiras dos campos, do cerrado e do pantanal.


Leia também:


Como vive o papagaio-de-peito-roxo?


Pouco se sabe sobre sua biologia e ecologia, mas, recentemente, foram realizadas pesquisas sobre a espécie, especialmente depois que uma colônia foi descoberta na zona urbana de Curitiba. A espécie é gregária, e antigamente se observavam enormes bandos, mas hoje andam principalmente isolados, em pares ou pequenos grupos. Podem conviver com as espécies Amazona pretrei, Amazona brasiliensis ou Pionus maximiliani. São de costume barulhentos, ativos e vivazes, mas, quando se alimentam, permanecem em silêncio e calma.


Leia também:


Quais as principais ameaças ao papagaio-de-peito-roxo?


A espécie encontra-se ameaçada devido à caça predatória e à destruição ou fragmentação do seu habitat. Os índios domesticavam este papagaio desde tempos imemoriais e usavam suas penas na confecção de adornos, e a espécie atraiu o interesse do homem branco desde o tempo do Brasil Colônia. É atualmente uma das presas mais cobiçadas no contrabando de animais silvestres, um negócio ilícito que movimenta dez bilhões de dólares estadunidenses anuais e é o terceiro maior do mundo, somente atrás do contrabando de armas e drogas, cabendo ao Brasil uma fatia de 10 a 15% deste vasto mercado.


A Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (UICN / IUCN) a declara como "espécie em perigo" (EN).


Leia também:


Como podemos proteger o papagaio-de-peito-roxo?


Para protegê-lo, já existe legislação e reservas ecológicas foram criadas nos três países onde ele ocorre, mas isso muitas vezes é pouco efetivo dada a pequena extensão de várias dessas reservas, fazendo com que a ave, muito móvel, ultrapasse as suas fronteiras e se alimente ou nidifique fora da área protegida, aumentando os riscos. Já existem diversos criadouros, inclusive nos Estados Unidos e Europa, que contribuem na sua conservação. A União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais recomenda a adoção das seguintes medidas para proteção da espécie:

- Monitoramento das populações maiores da Argentina

- Realização de mais estudos científicos sobre a espécie

- Monitoramento das áreas verdes que circundam as reservas, especialmente em Santa Catarina, Itaipu, Canindeyú, Caaguazú, Rio de Janeiro e Misiones.

- Investimento em fiscalização e resolução de problemas fundiários nas reservas do Brasil e Paraguai 

- Reforço na aplicação das leis antitráfico Investimento em programas de educação ambiental 

- Investimento em programas de reflorestamento e recuperação de solos degradados na Argentina

Comentários