Espécies ameaçadas de extinção: leopardo-das-neves

O leopardo-das-neves é um dos felinos mais raros do mundo, mas está em risco de extinção.

O leopardo-das-neves (Panthera uncia). Imagem de Marcel Langthim por Pixabay

Nome científico: Panthera uncia
Tamanho médio: 1,8 m
Cor: branco com pintas escuras e pretas.
Ocorrência: Mongólia ocidental e montanhas do Himalaia.
Estado de conservação pela IUCN: vulnerável

Apesar do nome, trata-se de uma espécie diferente do Leopardo. Distribuí-se principalmente pelo Tibete, Nepal, Índia, Paquistão, Quirguistão, Tajiquistão e Butão. Pouco se sabe a respeito desse animal arredio e solitário, que raramente é visto por seres humanos. Em razão disso, os nativos da região chamam-no de "gato-fantasma".



O leopardo-das-neves é visto apenas em grandes altitudes nas montanhas do Himalaia e seus arredores. Embora seja provavelmente o felino mais raro, sua pele ainda é regularmente encontrada à venda no comércio ilegal de animais silvestres.

Alimentação


Estes animais são caçadores oportunistas, que podem predar desde um grande Iaque (que pesa mais de 200 kg) até um pequeno veado almiscarado (que pesa somente 10 kg). Podem também predar aves como o faisão ou outros animais, como as marmotas por exemplo. Trata-se de um animal pouco estudado, devido a seus hábitos reservados, a existência de poucos exemplares, sua distribuição esparsa e as dificuldades das condições do seu habitat.



Mitos e lendas sobre o leopardo-das-neves


Durante séculos, o leopardo-das-neves tem sido alvo de mistério e folclore. Muitos moradores dos vilarejos da Ásia Central acreditam que os leopardos-das-neves não comem a carne das suas presas, alimentando-se apenas do seu sangue; esta crendice é dada devido aos pequenos orifícios deixados pelos dentes caninos dos leopardos, quando estes sufocam suas vítimas, somado a exemplos do abandono (por algumas horas ou dias) de algumas presas abatidas, antes de retornar para se alimentar da mesma, e neste período de "abandono" os animais abatidos são visualizados pelos nativos.



Para finalizar veja um vídeo do nosso canal BioOrbis, sobre O que é EXTINÇÃO e quais são suas causas?:


Comentários