Os papagaios tiriba do gênero Pyrrhura

Pyrrhura é um gênero de aves da Ordem Psittaciformes da Família Psittacidae, compostas por 18 espécies de tiriba ou tiriva.


São exclusivas da América do Sul, onde habitam zonas florestais. Na cidade, vive apenas em áreas verdes grandes e com Mata Atlântica, mesmo que alterada. São psitacídeos de médio porte, cerca de 22 a 30 cm de comprimento.
Possuem asas pontiagudas e a cauda é muito longa e fina. A pele em torno dos olhos é branca e desprovida de penas. A plumagem é muito colorida e predominantemente verde. Na maioria das espécies, o peito tem um aspecto escamado, dado pelas penas debruadas numa cor contrastante. São aves muito sociáveis, que vivem em bandos ruidosos com até dez aves que quase nunca saem da mata. São barulhentas ao voar mas silenciosas quando pousam, sendo difícil localizar as aves enquanto elas se alimentam na copa das árvores.
Às vezes, só se percebe sua presença pelos detritos que deixam cair enquanto se alimentam. Quando se assustam, o bando levanta voo numa gritaria intensa. Fazem ninhos em ocos de árvores, onde põe de cinco a oito ovos, que a fêmea incuba sozinha. O macho participa, porém, na alimentação dos filhotes. Come sementes, retirando-as de frutos que depois descarta, mas no caso de certos frutos, como o do palmito, come a polpa e descarta a semente; consome também néctar de flores (por exemplo, de eucalipto).

Agora vamos ver alguns exemplares deste gênero:

Tiriba-de-orelha-branca (Pyrrhura leucotis)




Tiriba-de-orelha-branca (Pyrrhura leucotis). Fonte da imagem: hbw.com. Author: Lindolfo Souto

Esta ave apresenta face marrom-escura contrastando com as regiões auriculares esbranquiçadas. O abdômen e a a cauda são avermelhados e as asas são azul e verde. Medindo cerca de 21 cm de comprimento. Na descrição de Kuhl, 1820, refere-se a espécie como sendo o menor dos periquitos de cauda longa. Face marrom escura contrastando com a nódoa auricular esbranquiçada. Esta espécie se encontra como status de vulnerável pela IUCN.
Distribuição geográfica: Venezuela e Brasil.
Habitat: árvores altas tropicais e sub-tropicais, em pequenos bandos.
Alimentação: insetos, larvas, térmitas, frutas e sementes.

Tiriba-de-testa-vermelha (Pyrrhura frontalis)



Tiriba-de-testa-vermelha (Pyrrhura frontalis). Fonte da imagem: Wikipedia

O corpo dessa ave é verde com mento e peito cinza-esverdeados. As penas coberteiras das asas são azuladas, e a cauda cor de cobre na base e na ponta. Medindo cerca de 24 e 28 centímetros de comprimento e pesa entre 72 e 94 gramas. Não possui dimorfismo sexual entre machos e fêmeas.
Distribuição geográfica: Paraguai, Brasil, Argentina e Uruguai.
Habitat: florestas, lavouras, pomares e milharais.
Alimentação: pinhões, sementes de cereais, verduras, painço, frutas, insetos e larvas.

Tiriba-de-testa-azul (Pyrrhura picta)



Tiriba-de-testa-azul (Pyrrhura picta). Fonte da imagem: Pinterest. Por Edilson Oliveira Moura.

O pescoço desta tiriba apresenta um vistoso colar azul com uma camada adicional cor-de-rosa na nuca. O corpo é na maior parte verde, com mancha avermelhada nos ombros. Pode medir cerca de 23,5 cm de comprimento e pesa entre 60 e 80 gramas. Faz seus ninhos em cavidades de árvores, a cerca de 6 m de altura, pondo de 9 a 10 ovos. São comuns na copa de florestas de galeria e florestas úmidas de terra firme, tanto nas bordas como no interior. Vive em bandos grandes e barulhentos, nos quais os indivíduos voam muito próximos.
Distribuição geográfica: Norte do Brasil, Colômbia  e Venezuela.
Habitat: florestas, parques e lavouras.
Alimentação: sementes e frutas.

Para finalizar veja um vídeo do nosso canal BioOrbis, sobre 🦅 As AVES do Museu de História Natural da UFMG - Parte #4:

Comentários