Espécies ameaçadas de extinção: Argali

Os argali representam, possivelmente a forma selvagem dos carneiros domesticados. Já esteve ameaçado, mas foi introduzido em várias partes da Europa, chegando até a Alemanha.


 https://curiosidadeanimal.bioorbis.org/2019/10/especies-ameacadas-de-extincao-argali.html
Imagem de Lubos Houska por Pixabay

Nome científico: Ovis ammon
Tamanho médio: 75 cm.
Coloração: marrom com manchas na face e pernas brancas.
Ocorrência geográfica: Polônia e parte da Europa.
Status de conservação pela IUCN: quase ameaçado


Características morfofisiológicas


Essa espécie é marrom-avermelhado com uma listra escura na lateral, e possui partes brancas na lateral e no ventre. Os machos possuem chifres e as fêmeas os possuem ou não. Caracteriza-se pelos grandes chifres recurvados (que pesam cerca de 20 kg), cerca de 1,25 metros de comprimento e 0,70 metros de altura na cernelha, e pesando aproximadamente 160 kg. Tem pelagem curta, espessada no inverno. É também o único capríneo de Portugal.





Origens evolutivas


Ele originou-se do sudoeste asiático, onde o Muflão-asiático (Ovis orientalis) vive. Eles foram introduzidos nas ilhas da Córsega, Sardenha, Rodes e Chipre durante o Período Neolítico, talvez como animais domesticados que novamente tornaram-se selvagens, onde naturalizaram-se aos interiores montanhosos em poucos mil anos, gerando a espécie conhecida como Muflão-europeu (O. musimon ou O. ammon musimon).




Eles são agora raros nas ilhas, mas foram introduzidos com sucesso na Europa central, incluindo Alemanha, Áustria, República Tcheca, Eslováquia, Hungria, Bulgária, Sérvia, e Romênia, e em alguns países da Europa setentrional, como a Finlândia.


Reprodução


Apresenta uma reprodução poligâmica. Um macho dominante pode reproduzir com diversas fêmeas de um grupo que constituem o seu harém. Em algumas circunstâncias, as fêmeas podem acasalar com vários machos. Isto pode ocorrer quando a dominância entre os machos sofre alterações ou quando as fêmeas deslocam-se do harém de um macho para se juntar a outro.

Para finalizar veja um vídeo do nosso canal BioOrbis, sobre O que é EXTINÇÃO e quais são suas causas?:

Comentários