Os menores periquitos do mundo

Tuim é o nome comum dado a pequenas aves psitaciformes do gênero Forpus, de pequeno porte, coloração verde, e cauda curta, semelhantes aos periquitos, porém mais robustos.

Na natureza, alimentam-se de sementes de grama e plantas herbáceas, bagas, frutos, brotos e, provavelmente, flores. Em cativeiro, comem mistura de sementes, frutas, verduras, legumes e ração comercial específica.



O nome "Tuim" procede do termo tupi tu'i,no sentido de 'espécie de periquito'

É o menor psitacídeo do Brasil. O macho é verde com uma grande área azul na asa e no baixo dorso. A fêmea é totalmente verde, ligeiramente mais pálida e mais amarelada nas partes ventrais. O bico é cor de marfim e cinza na base da mandíbula superior. Íris marrom-escura e patas cinza. O peso máximo é aproximadamente 26 gramas. O seu tamanho máximo é 12 centímetros. A expectativa média de vida é de 15 anos.

Reprodução dos tuim


Botam de 3 a 7 ovos, que somente a fêmea choca por aproximadamente 18 dias. É ela também que os alimenta sozinha. Os filhotes saem do ninho a partir de 4 semanas de vida.



Distribuição geográfica


Amplamente distribuído no Brasil, ocorre no nordeste, leste e sul do Brasil até o Paraguai e Bolívia; também no alto Amazonas até o Peru e Colômbia.

Agora vejamos algumas espécies desses periquitos pequenos e fofinhos:

Tuim-santo (Forpus passerinus)


Tuim-santo (Forpus passerinus). Fonte da imagem: Wikipedia.

Esse outro tuim é todo verde, mais brilhante na face, fronte e dorso e mais claro na parte inferior com uma asa turquesa e bico claro.



Tamanho médio: 12 cm.
Distribuição: Guianas ao norte do Brasil.
Habitat: áreas de florestas.

Alimentação: sementes de girassol e açafrão, nozes.

Tuim-do-pacífico (Forpus coelestis)


Tuim-do-pacífico (Forpus coelestis). Fonte da imagem: Wikipedia.

Esse tuim tem uma coloração verde, mais azul nas asas, no dorso e em uma faixa estreita ao longo da nuca.



Tamanho médio: 12 cm
Distribuição: regiões tropicais da América do Sul.
Habitat: área de florestas em colônias.
Alimentação: frutas.

Para finalizar veja um vídeo do nosso canal BioOrbis, sobre 🐦 As AVES do Museu de História Natural da UFMG - Parte #1:

Comentários