Os fósseis de Braquiópodes

Brachiopoda é um filo do reino Animalia constituído por animais solitários, exclusivamente marinhos e bentônicos.

Os braquiópodes vivos hoje. Fonte da imagem: www.biodiversity4all.org


https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ?sub_confirmation=1

Características dos Braquiópodes


Apresentam corpo mole incluso numa carapaça composta por duas valvas, à semelhança dos moluscos bivalves, no entanto os dois grupos são bastante distintos. A concha, de natureza fosfatada ou carbonatada, pode apresentar ornamentações diversas. O grupo é representado por cerca de 4.500 gêneros, dos quais apenas 120 são viventes. A maioria dos gêneros extintos são do Paleozoico.

A maioria dos braquiópodes atuais tem dimensões reduzidas, entre 5 milímetros a 8 centímetros de largura, mas algumas formas fósseis atingiram 30 centímetros. A concha dos braquiópodes é composta por duas valvas, designadas de peduncular (ou dorsal) e braquial (ou ventral). A ligação entre as valvas pode ser feita apenas por musculatura, nos braquiópodes inarticulados, ou através de uma charneira localizada no deltídio, no caso dos braquiópodes articulados. A linha que une as duas valvas chama-se comissura. A valva peduncular apresenta uma abertura semi-circular, o forámen, de onde sai um pedúnculo que fixa o animal ao substrato. A valva braquial está associada ao lofóforo, uma estrutura característica do filo, usada na alimentação por filtração. Ambas as valvas podem apresentar linhas de crescimento e ornamentação. As duas valvas se abrem para alimentação e se fecham para proteção.

Leia também:

Ecologia e habitat dos Braquiópodes


Os braquiópodes são animais marinhos, bentônicos e sésseis, isto é, que vivem fixos ao fundo do mar. A fixação pode ser feita através do pedúnculo ou por cimentação direta. Algumas espécies, entre elas a Lingula, vive enterrada em substratos arenosos e móveis. São animais filtradores que recolhem as partículas nutritivas da água através do lofóforo. Os braquiópodes atuais estão limitados a águas frias, no fundo dos oceanos ou perto dos polos, embora as espécies fósseis fossem largamente distribuídas e abundantes nos recifes, ocupando outros nichos ecológicos.

Leia também:

Os fósseis de Braquiópodes


Agora vamos ver alguns fósseis desses invertebrados interessantes.

Obovothyris magnobovata


Fonte da imagem: Wikipedia/Dwergenpaartje

Em forma de bulbo, é um braquiópode sem esqueleto interno com um pequeno orifício (forâmen) com pedúculo e uma protuberância muito encurvada, a "ponta" ou o bico da vávula de saída do pedículo.

Período: Jurássico
Localização: Europa

Sphaeroidothyris sp.


Fonte da imagem: Wikipedia/Parent Géry

Semelhante ao Obovothyris , o Sphaeroidothyris é outro braquiópode em forma de bulbo do Jurássico, com linhas de crescimento mal definidas na concha.

Localização: no mundo todo.

Rhynchonella sp.


Fonte da imagem: Wikipedia/Hectonichus

O gênero típico das Rhynchonelloidea, tem um forâmen pedicular preso entre um par de lâminas ou valvas deltoides na protuberância (umbo). A maioria dos espécimes têm nervuras radicais e apoio interno simples para o lofóforo (órgão com tentáculos para natação). As Rhynchonelloidea sobreviventes são um pouco diferentes das fossilizadas há mais de 500 milhões de anos.

Período: Ordoviciano
Localização: Europa.

Lobothyris sp.


Fonte da imagem: Wikipdeia/Dwergenpaartje

É um dos braquiópodes Terebratuloidea com cochas acentuadamente biconvexas e forâmen pedicular. Dominou em um ambiente não tolerado por nenhum outro braquiópode, e é encontrado em grandes quantidades. Com a falta de competição, dominou em seu nicho ambiental, hoje transformou em depósitos de minério de ferro.

Período: Jurássico
Localização: no mundo todo

Rugitela sp.


Fonte da imagem: ww.amberabg.com

Tem linhas de crescimento proeminentes em sua valva (concha) que atinge o máximo de 4 cm nos espécimes grandes. O forâmen é pequeno e a protuberância é longa em forma de gancho pontudo, curvando-se na valva do lobóforo (branquial).

Período: Jurássico.
Localização: no mundo todo.

Gibbithyris sp.

Fonte da imagem: Pinterest/Salvo por FossilsByJosef

Globular e macio, este pequeno braquiópode tem valvas biconvexas e um pequeno forâmen pedicular. As linhas de crescimento são próximas entre si no Gibbithyris, fóssil comum na Ingraterra. Pertence a um grupo de braquiópodes chamados Terebratuloidea, com protuberâncias acentuadas e linhas de articulação menores que a largura das valvas no seu ponto mais largo.

Período: Cretáceo.

Paleothyris sp.


Fonte da imagem: www.wikiwand.com

É um pequeno braquiópode com valvas biconvexas e protuberância bem desenvolvida de saída do forâmen pedicular. As valvas apresentam nervuras. Neste espécime, a ponta da protuberância rachou revelando rocha pura, pois, como muitos fósseis, é uma fusão natural que só retém a forma externa do animal que formou o molde.

Período: Jurássico
Localização: no mundo todo.

Comentários